Como mudanças climáticas ameaçam a produção de vinhos australianos

Por Léo Prado 8 Min Read

Em 2008, a família Brown assistiu impotente a incêndios florestais destrutivos que devastavam o interior da cidade de Victoria. Para eles, foi um alerta.

Foi a terceira vez em vários anos que as chamas chegaram perto de incendiar vinhedos que cinco gerações de sua família dedicaram ao longo de um século de amor e trabalho.

Dias quentes, chuvas decrescentes e secas subseqüentes se aproximaram deles, mas esse era um sinal de alerta evidente que eles não podiam ignorar.

A mudança climática tornou-se a “maior ameaça” das empresas familiares, diz Caroline Brown.

Não é um problema exclusivo dos Browns – a família por trás de uma das marcas de vinho mais antigas da Austrália.

O país é o quinto maior exportador de vinho do mundo e abriga uma gama diversificada de regiões vinícolas com as quais a maioria dos outros países só poderia sonhar.

E enquanto a mudança climática está ameaçando os produtores de vinho em todo o mundo, a indústria australiana está na linha de frente.

Aquecimento e ressecamento

Os vinhedos de Ashley Ratcliff já estão em uma das regiões vinícolas mais quentes e secas do planeta.

Ela lembra que houve um ano em que seus vinhedos na região de Riverland, no sul da Austrália, receberam apenas 90 mm de chuva – 10 vezes menos que a média anual da famosa região vinícola francesa de Bordeaux.

“Estava quente, tudo estava sujo e empoeirado”, diz ela. “E então, no outro extremo, você tem os anos realmente úmidos em que nunca pensa que vai secar.”

E só vai piorar.

Nos próximos 20 anos, o Riverland será cerca de 1,3 graus mais quente e as chuvas cairão, de acordo com a modelagem de pesquisadores australianos.

Com isso também virão mais eventos climáticos extremos, que já são quase constantes na Austrália.

O país ainda está se recuperando de anos de enchentes recordes, mas com o verão do El Niño provavelmente trazendo condições secas e quentes para grande parte da Austrália, o pânico está crescendo antes da próxima temporada de incêndios.

O que isso significa para o vinho?

Embora as videiras sejam descritas como “uma das ervas daninhas mais valiosas do mundo”, capaz de crescer em quase qualquer lugar, a fruta em si é vulnerável ao meio ambiente.

E as mudanças climáticas já estão mexendo com sabor e qualidade. O calor afeta a velocidade com que as uvas amadurecem e, com isso, seus níveis de açúcar e acidez.

A estação de cultivo já avançou – semanas em alguns lugares – o que também afeta a logística e a infraestrutura.

Depois, há o impacto dos eventos climáticos causados ​​pelas mudanças climáticas, que, na pior das hipóteses, podem acabar com uma safra inteira.

Tudo isso significa que cultivar certos tipos de uvas para vinho na Austrália – aquelas adequadas para climas mais frios como Sauvignon Blanc, Chardonnay e Pinot Noir – só ficará mais difícil.

Adaptação é fundamental

Os Ratcliffs decidiram estrategicamente plantar variedades “alternativas” mais adequadas para climas mais quentes quando compraram seus vinhedos em 2003.

Eles consideraram o risco representado pelas mudanças climáticas maior do que o da venda de uvas menos conhecidas. Duas décadas depois, quem não pensa em fazer o mesmo está se enganando, diz Ratcliff.

“Acho que há uma oportunidade de reformular a marca e tornar a indústria realmente empolgante – usar a mudança climática como algo positivo em vez de negativo.”

O consumidor médio não notará uma grande diferença entre os vinhos que adora e as novas variedades alternativas que a Ricca Terra vende – como Montepulciano, Fiano e Nero D’Avola.

As uvas são mais resistentes e muitas vezes mais ‘amigas’ do planeta, exigindo menos água.

A família Brown também está cultivando variedades alternativas, incluindo algumas criadas com a agência científica da Austrália.

Mas eles também olharam para o sul para manter vivos os favoritos atuais.

Com a mudança climática em mente, eles começaram a adquirir vinhedos em locais mais frios como a Tasmânia – uma tendência crescente em todo o setor.

“Percebemos que ter todos os nossos vinhedos em um único local em Victoria significava que tínhamos todos os nossos ovos na mesma cesta”, diz a Sra. Brown.

Mas Hayley Purbrick, da Tahbilk Winery, é um dos produtores que continua parado, apesar de “confrontar” a adaptação climática.

“Temos uma filosofia de que nossa responsabilidade é criar um clima onde as uvas possam crescer”, diz ela. “Há tanto que você pode fazer em nível local e, às vezes, quando pensamos [sobre a mudança climática em escala global], ficamos um pouco envolvidos demais na impossibilidade do que não podemos fazer”.

Os vinhedos de sua família no Goulburn Valley incorporam o máximo possível de sombra e de “refrigerantes naturais”. Estão plantadas à beira de zonas húmidas e rodeadas por 160 hectares de árvores.

Eles também reduziram suas emissões de carbono para zero, por meio de coisas como energia solar, usando tinta reflexiva de calor para limitar a necessidade de ar condicionado e reduzindo o desperdício.

Está funcionando até agora: “Temos sorte no sentido de que somos três graus mais frios do que lugares a três quilômetros de distância”.

Mas o pesquisador Tom Remenyi diz que a adaptação e a mitigação só podem levar os produtores até certo ponto.

Na trajetória atual, toda a Austrália ficará mais quente e seca – e embora alguns graus possam não parecer muito, podem ser catastróficos, diz ele.

“Uma mudança de três graus na média aumenta a frequência de dias extremamente quentes em cerca de dez vezes, se não mais. Se o globo inteiro aquecer mais de três graus, é muito provável que não nos preocupemos com o cultivo de vinho.”

O otimismo prevalece

E é exatamente isso que está pesando sobre produtores como Caroline Brown. Para ela, o negócio da família está intimamente ligado à história da família.

Ela passou a infância se metendo em travessuras com seus primos entre os vinhedos de Milawa. Agora todos eles trabalham no negócio.

Ela deseja desesperadamente o mesmo para as próximas gerações.

“Somos muito apaixonados pela família”, diz ela. “Nosso bisavô começou o negócio… adoraríamos um dia que nossos bisnetos estivessem nas posições de sorte em que estamos.”

Mas ela está bem ciente de que a mudança climática ameaça isso.

“Se não cuidarmos de onde estamos cultivando uvas, não teremos como plantá-las no futuro. Então é assustador”, diz ela.

Mas haverá muito poucas – se houver – das variedades favoritas do país que não poderão ser cultivadas em algum lugar, ela argumenta.

“Você sempre poderá cultivar Cabernet na Austrália, mas pode não ter um sabor tão bom nos próximos anos.”

Compartilhe esse Artigo
Deixe um Comentário